O obsessivo impossibilita o desejo quando tenta fazer do amor uma burocracia: requisitos a serem preenchidos, matemática de encontros, anulação daquele gesto que arrebata o sujeito, retirando-o do controle da situação. Assim salva o ideal. O da autonomia também.

[Ana Paula Gomes]




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relação mãe e filha

Consequências psicológicas do aborto