Histórias de Ciúme Patológico




Livro de Geraldo José Ballone
Ed. Manole, S.Paulo, 2010

- no meio da noite, depois de um sonho sobre traição, ela acordou o marido para manifestar suas dúvidas acerca de sua fidelidade conjugal.
......................
- não bastou ela ter confidenciado seu relacionamento anterior ao atual namoro como demonstração de lealdade; ele queria insistentemente saber detalhes de tudo que ocorreu neste relacionamento. O interrogatório se repetia cansativamente.
.............................
- depois da separação surgiu um ciúme exagerado do espaço perdido; ciúme de quem poderia estar usando sua antiga ex-casa, sua ex-cama, convivendo com seus ex-cães...
..........................
- a briga começava porque ela “tinha certeza” de que ele nutria pensamentos obscenos em relação a outras mulheres. Era o ciúme dobre o que ele pensava.
O simples fenômeno do ciúme normal e fisiológico é de ocorrência universal, encontrado até em outras espécies animais, além do ser humano. Esse tipo fisiológico de ciúme é aquele que habita em todos nós, o chamado ciúme normal, porém, a variação em sua quantidade acaba fazendo surgir o ciúme exagerado. Além disso, as variações na qualidade do ciúme normal acabam produzindo o ciúme obsessivo e o ciúme francamente patológico.

A psiquiatria é uma das especialidades médicas onde o sofrimento direto e imediato causado pela doença não é monopólio do paciente. A dor causada pelos transtornos psiquiátricos, entre eles o ciúme patológico, é compartilhada por outras pessoas além do próprio paciente, pessoas que muitas vezes acabam sofrendo muito mais que o doente. 
Nossa idéia é que as vítimas do ciúme, tanto as portadoras desse sentimento, quanto aquelas que sofrem por causa do ciumento, possam compreender a natureza desse incômodo emocional que pode se transformar em doença e, assim, buscar mudanças capazes de aliviar esses sofrimentos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Relação mãe e filha

Consequências psicológicas do aborto

Perfil da manipulação