Pular para o conteúdo principal

Infidelidade




Infidelidade é o descumprimento de um compromisso de fidelidade, é uma violação de regras e limites mutuamente acordado em um relacionamento, este acordo pode ocorrer a nível inconsciente.
Em sua acepção mais comum, a fidelidade é manter relações amorosas com uma pessoa que é sua parceira ou parceiro.
A infidelidade é quebrar este pacto tácito de manter relações sexuais com uma pessoa que escolhemos como parceiro ou parceira.
A infidelidade pode significar a ruptura de qualquer compromisso que tenhamos assumido livremente e que foi quebrado.
Geralmente a pessoa que é traída sofre muito, e as vezes sente-se culpada por ter confiado no parceiro.

Comentários

  1. Olá, Dra. Karina!

    O fator principal capaz de desencadear na quebra da fidelidade conjugal está relacionado à falta do diálogo aberto entre os casais quando ainda na expectativa de firmarem uma relação.

    A única forma de conhecer as vontades do outro ocorre quando, por meio do diálogo, os interesses se alinham - ou não, e se complementam - ou não. Quase sempre, uma parte precisa ceder aos caprichos da outra em nome de algo maior.

    Quando determinado assunto intrínseco à relação se torna um tabu para o casal, cria-se para os envolvidos um problema que, muitas vezes, reflete lá na frente, através de traições, de frieza, de indiferença.

    Veja-se que, ao partirmos do pressuposto do relacionamento sério como sendo uma espécie de contrato (e para o direito o é: vide casamento e união estável), devemos primeiramente estabelecer o objeto deste contrato a fim de determinar e fixar as regras e princípios que passarão a reger esse negócio jurídico-afetivo.

    Assim, para que tal contrato se preste a sua finalidade, torna-se imperioso a discussão de todas as minúcias que ladeiam as promessas de vida a dois. De forma que todo tema que possa vir afetar a relação deve ser levado a efeito e clausulado neste “contrato.”

    Nem mesmo as imposições de cunho religioso devem sobrepor aos interesses do casal. E aqui, deixo uma crítica a determinadas instituições religiosas que interpretam como pecaminosas determinadas formas de se alcançar o prazer. Muitos casais, levados por essa falsa premissa não conseguem obter o ápice da liberdade sexual, e com isso acabam tendo casamentos frustrados.

    Por tudo isso, acredito que a cláusula da fidelidade só se torna inquebrantável quando, antes, exista diálogo aberto e maduro entre os promitentes casais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Perfil da manipulação

Simpático(a) ...é a máscara mais freqüente utilizada pelos manipuladores. Ele(a) é sorridente, extrovertido(a), sabe aproveitar a vida. Demonstra atenção com os outros, mas faz questão de marcar a sua posição. Aos poucos, vai ocupando o lugar da outra pessoa. Seu perigo reside justamente em ser tão agradável. Mostrando-se gentil e amoroso(a), consegue fazer com que as pessoas sintam-se pouco à vontade para discordar das suas opiniões. Esse tipo consegue criar um clima de amizade e camaradagem com extrema facilidade.
Sedutor(a)...vaidoso(a) e atraente, ele(a) gosta de olhar nos olhos, de fazer perguntas embaraçosas e de manter certo mistério em torno de si. Não economiza elogios e galanteios e, assim, consegue o quer das pessoas, que o(a) consideram charmoso(a) e irresistível, embora não consigam nada com ele(a).
Altruísta...não mede esforços para agradar: dá presentes, faz favores... mas tudo na expectativa da reciprocidade. Ou seja: não aceita recusas, o que faz com que as pessoas sint…

Personalidade Esquizoide

O homem de lata do "Mundo de OZ", sofre de Transtorno de Personalidade Esquizoide, pois a crença de que é incapaz de amar pois não possui um coração, fez com que passasse a vida sozinho. Este transtorno é caracterizado pela falta de desejo de interagir com outros e por sua propensão a evitar situações sociais. A pessoa tem dificuldade em formar relações pessoais, expressar emoções, críticas ou elogios não o perturbam, como as conquistas profissionais e amorosas não significa quase nada, suas atividades não proporciona prazer, sua capacidade limitada de expressar sentimentos, tem pouco interesse em ter relações sexuais, prefere atividades solitárias, mantém uma vida introspectiva, não sentem falta em ter amigos, são insensíveis as normas sociais.

Consequências psicológicas do aborto

Como muitas mulheres acabam por utilizar a repressão como meio de lidar com o que sentem, a procura de ajuda psiquiátrica pode ocorrer muito depois do aborto ter sido realizado. Estes sentimentos reprimidos, no entanto, podem induzir doenças psicossomáticas ou psiquiátricas noutras áreas da sua vida. Uma sondagem realizada a 260 mulheres, muitas das quais procuravam informação sobre aconselhamento pós-aborto e que já se tinham submetido a pelo menos um aborto enquanto adolescentes, mostrou que de uma forma geral estas mencionaram ter: “flashbacks” relativos ao momento do aborto, crises de histeria, sentimento de culpa, medo do castigo de Deus, receio pelas suas própria crianças, agravamento de sentimentos negativos no aniversário da data do aborto ou quando exposta a propaganda a favor da liberdade de escolha (do aborto), interesse excessivo em mulheres grávidas e em bebês, visões ou sonhos com a criança abortada, consciência de terem falado com a criança abortada antes do aborto. Mulhe…