Infidelidade




Infidelidade é o descumprimento de um compromisso de fidelidade, é uma violação de regras e limites mutuamente acordado em um relacionamento, este acordo pode ocorrer a nível inconsciente.
Em sua acepção mais comum, a fidelidade é manter relações amorosas com uma pessoa que é sua parceira ou parceiro.
A infidelidade é quebrar este pacto tácito de manter relações sexuais com uma pessoa que escolhemos como parceiro ou parceira.
A infidelidade pode significar a ruptura de qualquer compromisso que tenhamos assumido livremente e que foi quebrado.
Geralmente a pessoa que é traída sofre muito, e as vezes sente-se culpada por ter confiado no parceiro.

Comentários

  1. Olá, Dra. Karina!

    O fator principal capaz de desencadear na quebra da fidelidade conjugal está relacionado à falta do diálogo aberto entre os casais quando ainda na expectativa de firmarem uma relação.

    A única forma de conhecer as vontades do outro ocorre quando, por meio do diálogo, os interesses se alinham - ou não, e se complementam - ou não. Quase sempre, uma parte precisa ceder aos caprichos da outra em nome de algo maior.

    Quando determinado assunto intrínseco à relação se torna um tabu para o casal, cria-se para os envolvidos um problema que, muitas vezes, reflete lá na frente, através de traições, de frieza, de indiferença.

    Veja-se que, ao partirmos do pressuposto do relacionamento sério como sendo uma espécie de contrato (e para o direito o é: vide casamento e união estável), devemos primeiramente estabelecer o objeto deste contrato a fim de determinar e fixar as regras e princípios que passarão a reger esse negócio jurídico-afetivo.

    Assim, para que tal contrato se preste a sua finalidade, torna-se imperioso a discussão de todas as minúcias que ladeiam as promessas de vida a dois. De forma que todo tema que possa vir afetar a relação deve ser levado a efeito e clausulado neste “contrato.”

    Nem mesmo as imposições de cunho religioso devem sobrepor aos interesses do casal. E aqui, deixo uma crítica a determinadas instituições religiosas que interpretam como pecaminosas determinadas formas de se alcançar o prazer. Muitos casais, levados por essa falsa premissa não conseguem obter o ápice da liberdade sexual, e com isso acabam tendo casamentos frustrados.

    Por tudo isso, acredito que a cláusula da fidelidade só se torna inquebrantável quando, antes, exista diálogo aberto e maduro entre os promitentes casais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Relação mãe e filha

Consequências psicológicas do aborto

Perfil da manipulação