Pular para o conteúdo principal

Personalidade Obsessiva




A pessoa com este Transtorno costuma ser perfeccionista, rigoroso, detalhista, intelectualizada, disciplinado e exigente com os outros, insiste em que as pessoas façam as coisas a seu modo ou querer fazer tudo por achar que os outros farão errado. 
São pessoas que trabalha em excesso tem muita devoção o apego a normas sociais em ocasiões de formalidade tem comportamento rígido dominador e inflexível sempre estão insatisfeito com seu próprio desempenho.
Isto torna a pessoa indecisa prejudicando seu próprio trabalho ou estudo a pessoa com este transtorno tem a expressividade afetiva fria.

Comentários

  1. Oie!

    As vezes penso que devia ter feito Psicologia ao invés de Direito, posto que me identifico bastante com os estudos que informam o indivíduo.

    Sobre "perfeccionismo", humm...sou sim! Mas me considero um perfeccionista do bem. Gosto de tudo organizado. Meu quarto, por exemplo, pode bem falar por mim. Os livros, todos separados por ramos do direito, ficam cada qual no seu espaço. Meias, cuecas e roupas usadas, tudo tem seu lugar específico. Não ficam misturadas com as demais. Basta visitar pra ver!

    Além disso, ainda no ambiente caseiro mas agora fora do quarto, também costumo ser rigoroso. Veja-se que eu mesmo "dou banho, rs" nas minhas roupas (isso desde os 16, ou seja, há 11 anos); Também sou eu quem arrumo a cama pela manhã, lavo os talheres que utilizo, enfim...sou bem metódico.

    Pessoas perfeccionistas, creio, ajudam a melhorar o mundo, à medida que as outras - aquelas não-perfeccionistas - podem talvez causar efeito reverso, tornando-se desorganizadas e com isso contaminando seus arredores com seu caos.

    Ser perfeccionista, à minha maneira, é ser claro em suas condutas, no seu proceder. E a clareza e transparência, ao contrário da obscuridade, é tudo que precisamos para sermos melhor interpretados.

    Entre uma pessoa perfeccionista não extremada, e outra "largadona", prefiro a primeira.

    Dra., grande beijo e bom fim de semana!

    ps. Não imagina o quanto gostei de tê-la em meu blog. Foi um bom presente! Agora temos de trocar o msn, o que você acha?! Rsrs..Bem vou nessa! Tenho aula hoje.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Perfil da manipulação

Simpático(a) ...é a máscara mais freqüente utilizada pelos manipuladores. Ele(a) é sorridente, extrovertido(a), sabe aproveitar a vida. Demonstra atenção com os outros, mas faz questão de marcar a sua posição. Aos poucos, vai ocupando o lugar da outra pessoa. Seu perigo reside justamente em ser tão agradável. Mostrando-se gentil e amoroso(a), consegue fazer com que as pessoas sintam-se pouco à vontade para discordar das suas opiniões. Esse tipo consegue criar um clima de amizade e camaradagem com extrema facilidade.
Sedutor(a)...vaidoso(a) e atraente, ele(a) gosta de olhar nos olhos, de fazer perguntas embaraçosas e de manter certo mistério em torno de si. Não economiza elogios e galanteios e, assim, consegue o quer das pessoas, que o(a) consideram charmoso(a) e irresistível, embora não consigam nada com ele(a).
Altruísta...não mede esforços para agradar: dá presentes, faz favores... mas tudo na expectativa da reciprocidade. Ou seja: não aceita recusas, o que faz com que as pessoas sint…

Relação mãe e filha

Não é difícil deparamos com dificuldades na relação entre mãe e filha, uma combinação que as vez não dá muito certo... Quando uma mulher descobre que está grávida de um bebê do sexo feminino é como se repetisse a história que viveu com sua mãe, provavelmente as mesmas dificuldades iram aparecer. As repetições acontecem porque não houve um trabalho de elaboração dos conflitos e das dificuldades, a tendência é repetir uma história, está mãe não poderá oferecer a sua filha, o que não se tem. Se os pais reconhece o filho como sujeito temos um bom relacionamento, muitos pais com dificuldades emocionais projeta em seus filhos o melhor ou o pior de si, quando isso acontece muitas crianças tendem a assumir a tarefa de reparar a mente disfuncional da mãe para que ela possa conseguir ser uma boa mãe. Percebemos esta relação quando a filha deixa de viver a própria vida postergando projetos, desejos, entre outras coisas, isso acontece com aquela filha que ficou solteira, sua obrigação é cuidar do…

Consequências psicológicas do aborto

Como muitas mulheres acabam por utilizar a repressão como meio de lidar com o que sentem, a procura de ajuda psiquiátrica pode ocorrer muito depois do aborto ter sido realizado. Estes sentimentos reprimidos, no entanto, podem induzir doenças psicossomáticas ou psiquiátricas noutras áreas da sua vida. Uma sondagem realizada a 260 mulheres, muitas das quais procuravam informação sobre aconselhamento pós-aborto e que já se tinham submetido a pelo menos um aborto enquanto adolescentes, mostrou que de uma forma geral estas mencionaram ter: “flashbacks” relativos ao momento do aborto, crises de histeria, sentimento de culpa, medo do castigo de Deus, receio pelas suas própria crianças, agravamento de sentimentos negativos no aniversário da data do aborto ou quando exposta a propaganda a favor da liberdade de escolha (do aborto), interesse excessivo em mulheres grávidas e em bebês, visões ou sonhos com a criança abortada, consciência de terem falado com a criança abortada antes do aborto. Mulhe…